29 de set de 2008

PIADA INTERNA



"-Só me falta-me o gramûr!!!"

e

"-Eu 'tô pagano...."

É o que faz termos nossa própria Lady Kate.

BOA SORTE, LU!

À noite, fomos para a casa da Lucila que tb vai para Portugal. O irmão dela já está lá há um ano e escrevi aqui tb a despedida dele.

Estranho chegar lá e não ver o Gustavo. Faz parte da mudança que a vida nos traz.

Encontrei o Elói e batemos maior bom papo, encontrei o Renatzzz que é digníssimo leitor deste blog e irmão da Lucila e do Gustavo, encontrei os padrinhos do Gustavo, tios e batemos o maior papo bom de seeeempre.

Pena que tínhamos que ir embora logo por conta de outro compromisso.

Aqui, a menina que virou mulher e agora está indo além do horizonte:

(Eu, de verde e Lu)Perto da Lu, qualquer mulher fica bronzeada.......

Lu, muita sorte nesta nova jornada. Que tudo o de melhor te aconteça. Mesmo.

Renatzzz, vê se da próxima vez, tira uma foto minha (não essa) que não aparento estar grávida, ok?

P.S.:"Juro que a minha blusa está larga."

RESULTADO DA COMILANÇA

7:15 da manhã eu acordo..... uma dor imensa na barriga. Cólica mesmo do centro do peito até às pernas. Colocar o pé no chão, nem pensar....

Fiquei deitada esperando passar e não passou. Esperei o namorado que em função da profissão, não pôde chegar no horário combinado. Levantei, tomei café (sim, pq além da fome que eu sentia apesar da dor, eu tinha ciência do dia que teria pela frente) e gemia.....A dona mãe só dizia: "Déééé, tá tudo bem?"----mas não vinha na cozinha.....

Tudo bem, deitei de novo. Quando o namorado chegou, eu 'tava com aquela cara e ele, coitado, começou a mexer na barriga pra ver se não era a famosa apendicite. Ele fez a seguinte pergunta: "Dé, o que é que vc comeu?"

Mais fácil ele me perguntar o que eu não tinha comido, não é?


Respondi baixinho (por causa da dona mãe) a lista de doces que eu tinha comido e ele começou a rir...... disse que eram peidos gases e que ele é quem sofreria pela minha imprudência. Bom, levantei e fui dar tchau pra minha dona mãe e ela perguntou o que eu tinha comido. Respondi só a parte da minha janta..... e novamente tive que escutar que eram gases....e ver as pessoas rindo da minha cara.....

Me vinguei como? Peidando. Quando fui ao epicentro do inferno número 2 centro comercial de Sampa, a 25 de março; e vi aquela multidão toda, não tive dúvidas: pisei na mercadoria dos ambulantes que ocupavam o espaço que deveríamos andar e mandei tomar nos cús, nos rabos de cada um que gritava na minha orelha; mandei todos os que me empurravam pra o inferno, àqueles que pisavam no meu pé eu desejava que ficassem broxas.... sem falar sobre os comentários que fiz à guarda municipal.

Foi um dia incrível: apesar de tudo, achei o que eu precisava. E a dor passou.

EITA, QUE ACONTECEU DE UM TUDO!

Atenção: este post contém fotos que revelam a identidade de uma das personagens citadas nos últimos posts!

Gente, se alguém estiver com fome, segura aê. Sexta foi dia de uma festinha que não vem ao caso, pq pra bom entendedor da coisa, meia foto basta a qual fiquei muito ansiosa. Não bastava o "todo" que a coisa englobava, ainda teríamos muitos doces.

Daí eu fui né? Puta frio que tava fazendo a tarde toda. Tomei banho, troquei de roupa, me agasalhei mais do que devia e fui. Por que isso interessa? Mais pra frente vcs saberão.

Tudo bem que o Dé não se comportou como deveria, afinal ele perde um pouco a noção quando fica em grupo. Eu já estava quase socando ele, principalmente quando ele apelou e disse que eu parecia uma certa pessoa metódica que o pôs louco em certa ocasião. Ele não estuda/se informa o suficiente e acha que quando a gente se espanta é porque queríamos encontrar tudo o quanto imaginávamos. Dé, se vc estiver lendo, blééééé pra vc, bem dado!

Voltando. Sabendo que eu poderia fotografar mas não tendo muita intimidade com todos os que nos rodeavam, fiquei um tanto quanto tímida. Ainda assim eu consegui fazer alguns flagrantes que ficarão para arquivo pessoal. E já fico maior feliz.

Mesinha de doces é só apelido:


O Dé, fez um flagrante nosso:

Débora(mais conhecida como "eu") e Daniela, a dotôra-adêvogada.

E mais um flagrante da doce satisfação :

(-Dani, é tão bonitinho que dá até pena de comer....passou, nhac!")

Daí pra frente, meus amigos, foi só têta de nega, cocada, paçoca, doce de leite, abóbora....guaraná.....

As pessoas que não nos conhecem, perguntam se somos irmãs. Talvez pelas sobrancelhas mulçumanas, talvez pq quando a gente sorri não economizamos nos dentes, talvez pelos nossos comentários ácidos-sem-noção, talvez pq uma quando olha pra outra meio que sabe o que a outra está pensando...... Mas é muito mais legal falar de tudo o que já escrevi e agregar uma história que nós duas contamos e que faz o maior sentido e lógica pra gente.

O Dé, zarpou pq tinha que dar aulas. Acabou a festa e eu olhei pra Dani e perguntei se ela tinha compromisso. Ela disse que não e decidimos entregar os doces em mão para o Dé. E claro, levar a fofa da mãe dela em casa.

Chegando lá, encontramos bons amigos e resolvemos tais quais duas mocinhas avulsas colegas de trabaio e amizade, acompanhar (sem beber) os amigos no churrasquinho.

Voltamos felizes pra casa e eu, senhores leitores, à 1:15 da manhã, estava jantando. Sim, eu fui pra festa sem jantar. Chegando em casa, eu bati dois pratos de feijão com farinha de mandioca, ovo frito e muitos talos de brócolis, acompanhado de água com gás.

O que isso tem a ver?- Vc me pergunta.

E eu te respondo: vai lendo, vai lendo......

Menção honrosa: Eu, que tinha colocado uma pá de roupa pra me proteger do frio, fui me descascando conforme o calor que eu sentia. Parei na blusinha branca-confortável-que-eu-adoro, como vcs pode ver nas fotos. Daí em casa, na hora de tirá-la, descubro que embaixo do braço ela está più furada.......Vergonha..... muita. Alguém notou? Será? Será?