5 de set de 2008

ROTININHA DA VIDA

Então é assim: por causa do meu tênis de correr, estou fora de eixo. Minha coluna reclamou muito e pra concluir a sessão hipocondríaca, estou com muita dor no ombro direito. Então digitar não está sendo nada prazeiroso.

Fora que dor, faz com que a nossa paciência fique na PQP.

Vamos para as coisas boas? Vamos.

Meu projetinho ganhou aprovação, colaboradores e está quase que totalmente terminado. Em breve mais notícias sobre isso.

Além do quê, esse projeto me deu vontade de fazer outras coisas. Vôos mais altos. Vejemos.

No mais, fds se aproxima e estou pensando em terminar com algumas coisas inacabadas e dar um gás nos meus estudos. Claro que quero tb assistir um filminho que há muito eu queria.

Falando em filminhos, nós passamos Juno para a nossa classe e claro que eles adoraram: o filme é fofo, as personagens têm a idade deles, muitos passaram pela situação....
A experiência foi tão positiva, que o filme será passado para outras duas salas. A pedido da nossa pedagoga/diretora.

62 ANOS

Aqueles que me conhecem, sabem da minha devoção. Não é simplesmente qualquer devoção: se trata de uma pessoa extremamente talentosa.

Infância:

Embora os dentões denunciem, sei que muitos por essa foto não iriam reconhecê-lo.

Aqui, a faceta mais conhecida dele:
Cantor de reconhecimento indiscutível. Musicista por excelência, desenhista de mão-cheia, intérprete de expressão corporal desprentesiosa e graciosa. Movimentava milhões em shows como ninguém.
Duvida? Escute ele falando os "didididi derô eêêêôooooooo " com a multidão e entenda o que quero dizer. Depois de cantar por meia, quase uma hora (com voz perfeita) não deixava a "peteca" cair nos shows e entretia o público. Coisa que mais tarde foi imitada por diversas boyband.

Quando ele desencarnou, os amigos se prontificaram a cantar no tributo a ele. Prova do que estou falando, está gravado no making off do tal tributo, em que os cantores foram ensaiar e não saiam do backstage, cantando de cor todas as canções que os colegas estavam ali tentando cantar. Sim, pq vendo outros cantarem, é que se percebe o quanto o talento dele é insubstituível.

A última vez que o vi, ele estava parecido com essa imagem:
Visual mais clean.

Tem dias que eu sinto falta de ter alguma coisa nova dele. Sinto falta das rádios tocarem as coisas dele. Sinto vergonha alheia quando em cada formatura, cada evento para funcionários da empresa, tocam o "We are the champions"..... Mas sinto alegria cada vez que escuto qualquer coisinha dele.

Hoje, ele completaria 62 anos, se ainda vivesse conosco.


Prefiro encará-lo como um mocinho de 17 anos, que "mora do lado de lá".

E sinto muito ciúmes, se querem saber.....