8 de ago de 2008

SÉQUIÇU

Vamos falar de sexo e não daquele "feminino ou masculino?" que vc responde no censo. "Vamos" é modo de falar, quem vai falar é o meu amadinho Gaiarsa. Hoje quando vejo seus vídeos, percebo que se eu não tivesse lido tanto as coisas dele na adolescência, eu poderia ser um ser humano bem pior, bem mais complexado.... Agradeçam ao doutor e professor Gaiarsa que então fez de mim essa pessoa maravilhosa que sou. (e bem modesta)

No mais agora, como ser sexual que sou, ainda me espanto com certas coisas que o mestre Gaiarsa diz. E achei bom. Pq mesmo que eu não aceite como verdade, as coisas que ele diz e me espantam, fazem tb com que eu pense.

Em breve, quero colocar aqui os outros vídeos dele, falando de relacionamentos. Mas como hoje é Sexta (dia que todo mundo faz ou está à procura de fazer), eu prefiro colocar um de séquiçu:




Esse é a primeira parte, de 7 que estão disponíveis no Tutube. E tudo foi filmado pelo Cravo, psicólogo que artesanalmente filma o Gaiarsa. Beijos para os dois! Claro, o beijo maior e mais estalado vai para o Gaiarsa.

CORAGEM PRA MUDAR

Atenção: este post contém palavrão e mostra um lado meu que alguns desconhecem. Tirem as crianças, os melindrosos, os puritanos e os mal-amados da frente do monitor.

Grata!


Seguinte, era uma vez um CÚ. Um cú que acredita que é EL SEÑOR COMANDANTE.

E eu era obrigada ou fazia-me obrigada a conviver com esse CÚ, toda a Quinta-Feira da minha vida. Acontece porém, que eu, uma simples bundinha (e bem chapada, diga-se de passagem; porque eu não tenho gens negros na minha mistura) devia incomodar muito o CÚ. Talvez porque ele sabia que no fundo eu procuro fazer-me de burra, de isso e aquilo para ver até onde as pessoas são capazes de chegar com sua arrogância. E no quesito arrogância, o CÚ tá cheio.

Eu, um bundícula ridícula (foi só pra rimar) muitas vezes movida pelos "incentivos" do CÚ, apresentei-me para ser útil e qual não foi a minha supresa quando ouvi: "não, Débora! Vc ainda não está pronta. Não vá embora daqui, mas fica aí quietinha no seu lugar".

Humildezinha do jeito que eu procuro ser, acatei por diversas vezes essa ordem do CÚ, EL SEÑOR COMANDANTE.

Acontece porém, que outros CÚS Comandantes, achavam que eu estava mais do que pronta e uma vez que eu não desabrochava, pediram pra eu pedir ao CÚ que ele me dispensasse para que efetivamente eu começasse a crescer enquanto bunda. Sim, pq eu tenho consciência que pra ser um cú, vai muito tempo.

Bom, cheguei para EL CÚ e perguntei: "Fulano disse que eu preciso da sua dispensa." e eu ouvi: "Nem a pau, Juvenal! De jeito nenhum!!!! Ele(a) não pode fazer isso! Vc é daqui e daqui vc não sai e ninguém te tira.".........

E EL CÚ, me mandava ler muito, estudar muito; coisa que prazerosamente faço sem que o CÚ precisasse me mandar. Pois bem, nas minhas leituras, percebi que EL CÚ, jamais poderia decidir sobre a minha vida. Também que ele está redondamente (até pq ele é um cú e cú até onde sei é redondo) enganado no que diz respeito a eu "estar pronta" e também a que tipo de coisas eu posso fazer ou não.

E mesmo eu sabendo de tudo isso, ainda permiti que durante quase 2 anos eu ficasse presa ao CÚ. Também queria ver até onde eu deixaria que me tratassem com arrogância, com desprezo e com posse. E tive que ouvir diversas vezes o CÚ falar publicamente: "Se vc é assim e desenvolve esse tipo de atividade, não é aqui que vc tem que ficar. Procure um lugar. Pergunte pra mim que eu digo onde vc deve ir." E era exatamente o que diversas vezes eu fui pedir pra ele e ele se negou a fazer.

Ontem foi Quinta e lá encontrei-me com o CÚ. E depois de ouvir a mesma piada que o CÚ faz há 3 anos que o conheço: "Por favor, a 'tropa de choque' pode assumir seu lugar..... ou 'Tropa de Elite como preferirem." e

"Ahahahahahahahahahahahaha",

dão risada os que lambem o cú do EL CÚ, percebi que talvez isso o incomodasse mais: eu não acendo vela pra defunto ruim. Eu não lambo o saco de ninguém. Muito menos o cú. E se fosse pra lamber um cú, jamais seria o cú do CÚ, pretenso EL SEÑOR COMANDANTE.

Pensei comigo mesma: "Mina, que vc tá fazendo aqui? Todo mundo sabe do que vc é capaz. Vc sabe do que é capaz. Aqui, vc cresceu em quê? Vc acha que em 3 anos que vc está aqui, vão se passar mais 3 anos e alguma coisa vai mudar enquanto esse cuzão tiver aí bancando de CÚ? E outra, Débora: desde quando vc atura a mesma piada mais do que 3 vezes dita? E vc 'tá aturando por 3 fucking anos!!!!!!!!!!"

Daí decidi, por mais doloroso que seja pra mim, que eu vou deixar o CÚ e seus "lambe" pra lá. Doloroso, pq há aqueles que sempre me incentivaram e fizeram com que a peteca nunca caísse. Que me trataram com tanto respeito. Quero um tempo pra ver se lá é tão importante assim, pra mim. Quero um dia retornar e ver se ainda consigo sentir coisas diferentes do que sinto atualmente. (Não estou falando da vontade mortal de pegar o CÚ e enfiar um microfone pelo cú dele quando faz a mesma piada ridícula)

Pûs uma data pra mim: 7/10. Nem sei que dia da semana cai. Apenas a partir do dia 07/10, a próxima Quinta eu apareço. Depois disso, eu decido o que fazer. Incluindo eu ir pra onde me chamaram, sem a permissão do CÚ.

P.S.:" Eu sempre fico em dúvida se a palavra "cú" leva acento. Mas acho que um acento no cú dá toda uma afirmação na expressão."