22 de fev de 2008

COISAS DO COTIDIANO I

No meu curso, fiz algumas amizades. É meus caros, não sou tão sociopata assim. O caso é que eu tenho uma colega, que acredita piamente que eu sou a pessoa mais ocupada do mundo e ela me pede desculpas até por falar comigo....

Daí que conversando, ela sabia da existência do meu lado "escritora", mas nunca chegou a ler meu blog. Acredito que até eu retardei esse fato, pelas coisas contidas nele. Ela podia ter a impressão que eu sou mal-humorada, encrenquinha demais, nervosa demais e .... eu não sou assim, né gente?! (alguém aí que me defenda?)

Mas acho que ela já sacou qual é a minha, pq diferente das cabeçudas das outras colegas, ela é bem espertinha... Então, ela naquel preocupação que ía me incomodar, ou que eu estivesse atrasada, me mandou via e-mail algo que ela queria comentar comigo, daí divido com vcs:



O Começo – fiquei admirada com a reportagem do Jornal
Nacional
noticiando que o Canadá é o país que melhor recebe os estrangeiros, em
especial, os brasileiros; fiquei até com vontade de encarar a neve! Voltando
à
realidade, ontem (21/02) estava comentando com o Lucélio como é o
atendimento
hospitalar em países como a França, não há rede particular, e
todos são bem
atendimento no serviço de saúde público, até mesmo os
estrangeiros e eu aqui, no
serviço público, preciso cruzar o outro lado da
cidade para marcar consulta de
retorno da minha filha, uma vez que não são
agendadas consultas por telefone
(Olhe a propaganda enganosa! Já vi vários
comerciais e notícias da prefeitura
dizendo que consultas são marcadas por
telefone) e o médico de especialidade só
atende na região próxima ao metrô
São Judas! Não poderia ter especialistas em
cada região da cidade?
Enfim,
cheguei ao posto 12:50, no balcão seis computadores e três funcionárias, e duas
filas (uma para idosos e outra comum, ainda bem que podemos esperar sentados!).
Imagine como eu estava cansada, ainda bem que tomei aquele café com vocês;
voltando teve um momento que ficou apenas uma funcionária para atender as duas
filas e mais as pessoas que estavam chegando para consulta, nesse momento
pensei, "a Débora escreveria uma boa crônica" sobre isso. Penso comigo,
tantas pessoas sem emprego e há serviço sobrando por aí. Enfim levei 50 minutos
para marcar a consulta e ainda bem que a atendente era simpática, pois quando
ela terminou de marcar, lembrei que não poderia levar minha filha na data
estipulada, lá vai a atendente marcar tudo de novo!


Quando acontecem essas coisas fico me perguntando, será que as coisas
vão melhorar? Os partidos que estão no poder são os mesmos há anos e os
jovens e
crianças, que são o futuro, estão cada vez mais distantes da
educação e
principalmente da leitura.
Bom, era isso que queria comentar
com você e
espero não ter incomodado muito.
Beijos e até
amanhã!
Cátia



Então, caros amigos. Este é o texto dela e me sinto aqui desafiada a fazer uma boa crônica. Será que eu consigo?

Ah....Cátia, na boa... quando as coisas vão melhorar eu não sei, mas sei que é nessas horas que a gente tem sempre que se esforçar pra fazer a diferença, não importa quem a gente seja e o quê nós fazemos.

2 comentários:

Lu disse...

Olha... me admiro que as suas colegas cabeçudas tenham conseguido entrar no curso... a redação da Cátia é ótima... tinha tido uma má impressão desse seu curso aí pelo jeito que vc falava... agora melhorou.

Débora disse...

É pq a Cátia não faz parte do grupo das cabeçudas. Logo, é por isso que eu tenho amizade com ela, saca?