7 de ago de 2007

A VIDA PODE MUDAR PRA MELHOR

Dia 05/08, fez anos que um ícone do cinema, morreu
precocemente aos 36 anos.

Precocemente não seria bem a palavra pra alguém que
abusava de barbitúricos e bebidas.
Mas também, sabe lá a vida que ela levava:
viveu por dois anos em um orfanato, sofreu
dois abortos, casou 3 vezes e apesar
de ter estudado muito, era considerada a loira burra.
Passou fome pacas até alguém lhe dar uma chance.

Fora, que pelo envolvimento que ela sempre teve
com a política (a mãe era parente de um ex presidente),
foi usada pra distrair as tropas americanas.
Ou seja, alguém que ajuda a guerra. E usando seu corpo.

Sempre foi parte daquele clichê:

loira-burra-puta--bem-sucedida.

Imagina a tristeza.
Eu fico aqui pensando se na década
que ela viveu, a mulher tinha alguma
chance de brilhar se não fosse usando
os dotes físicos. Até hoje é assim.
Ou algum homem em pesquisa, quando
perguntado sobre o tipo de mulher que gostaria
de casar, prefere a madre Teresa à Rita Cadillac?
Se alguém prefere a inteligência da Conceição
Tavares à bunda da Siri?

Imagina você, com 36 anos, despedida,
acabada de se divorciar (não pela sua vontade)
e pós operada.
Como se sentir bonita? Valorizada?

Ela reuniu forças e confiou no brilho
que tinha. Deixou-se fotografar, simples
sem a maquiagem para estúdio e nua.








Note a beleza de uma mulher sem plástico, sem
academias, sem seven day diet.
Note a beleza de uma mulher fotografada sem
photoshop.
Note também, o rosto cansado, a tristeza
no seu olhar.
Mas, como disse no título, a vida pode mudar
pra melhor: alguém aqui sabe quem foi Arthur Miller?
O marido que pediu o divórcio pra ela.
Excelente dramaturgo, mas só so aficionados por
cinema é que sabem.
Alguém sabe de que filme/estúdio ela foi despedida?
Pois é.... tudo isso passou.
Marlyn Monroe tá aí até hoje, como ícone de beleza,
de sensualidade. Referência e fonte pra mulheres
como Madonna.
Não há uma bicha por mais suburbana que seja, que
não sabe quem é ela e que não a ache uma diva.
Tudo passou. Ela continuou.

Nenhum comentário: