13 de jul de 2007

NADA DE FOFOCA

Apenas gosto de dividir os assuntos que julgo serem
interessantes.

"Seu" Arruda, eu conheci faz um mês, mas não vou citar
onde, nem em qual circunstância.
Ele é aposentado, viúvo há 28 anos e atualmente
conta aí uns70 e alguma coisa.

No nosso último encontro é que fiquei sabendo
que ele é viúvo e que adorava dançar.
Perguntou se por acaso, mesmo meu namorado
não vindo, se eu topava sair com ele, minhas amigas
e as amigas dele pra dançar dança de salão.

Depois, me contou que a liberdade tinha seu preço:
que apesar dele fazer tudo o que tinha vontade,
que a solidão na hora de ir dormir era o que mais
"pegava".

Daí uma outra pessoa perguntou pra ele,
se o casamento que ele teve valeu e ele diz que sim,
que a companheira apesar de geniosa, era boa,
era generosa, era carinhosa, cuidava da casa, enfim,
que ela deixou saudades.

Hoje, ele diz que pra casar, teria que valer a pena a pessoa
que não poderia ser casar por casar. Que infelizmente,
ele encontra até mulheres bonitas, inteligentes, bem-humoradas
que só querem "ficar".

Pausa....

Ele disse isso mesmo: ficar. Fiquei então
imaginando a cena que ele disse ter vivido no
último feriado, indo ao Shopp Anália Franco com
uma amiga ao cinema, tomar um café e ficar.
Pq é tão difícil eu imaginar alguém de cabelo brancos,
rugas, que já viveu tanto.... ficando?

Que coisa é essa que me faz acreditar que, passada
certa idade, são todos assexuados? Que todos
os idosos, mesmo não podendo manter relações
sexuais "completas", não podem sentir vontade de
dar uns beijos, uns malhos?

Continuando.......

Ele chegou a morar com uma senhora: primeiro
namoraram, cada um na sua casa, depois a filha dela casou,
resolveram juntar os panos. Daí a filha divorciou-se
e ela escolheu viver com a filha.
Diz ele que são amigos até hoje, de baile e de cinema.

E assim, Seu Arruda continua vivendo, entre a dança,
a paquera, as amigas, os bailes, a coisa que me fez conhecê-lo
e ainda: os bolos que ele faz.
Sim, nesse último encontro, ele trouxe um pedaço
de bolo de mexerica que ele fez.
Muito bom por sinal.

Fiquei pensando, como sempre.

As mulheres da geração dele, dificilmente vão
querer se casar por alguns motivos:

*As viúvas que foram felizes com seus companheiros,
ter outro homem (leia transar), pra algumas
é como se fosse trair o marido morto.

*As viúvas que não foram felizes com seus companheiros
e as divorciadas não querem mais se casar com
medo de sofrerem novamente.

*Um homem idoso, muitas vezes além da disfunção
erétil, ainda traz problemas como hipertensão, diabetes
colesterol, triglicérides....... sem contar os problemas
que alguns familiares sempre trazem: o filho(a) problemático(a),
genro, nora, netos.....

*Essa geração de mulheres, só vivia pra família. Trabalhar?
Só se o marido estivesse desempregado. Portanto, agora
livres, nunca viram e gozaram tanta liberdade. Inclusive
a liberdade sexual.

Coitado do Seu Arruda que padece de uma nova velha
geração de mulheres.
Cada dia que passa, os homens então mais perdidos....
E nós mulheres, fingindo ser centradas.

E eu, me entupindo de bolinhos e de histórias, tentanto
tirar proveito de tudo.

2 comentários:

renatzzz disse...

Putz DEDE, me perdi na Epopéia do Arrudão
mas pelo visto, ele deve ter uma bolinha azul de garantia, agora eu imaginei a cena do Arrudão, na fase dakels molekes q tem medo de arriscar algo com as mulheres, muito comico... tipo vai q eu vou
beijus

Débora disse...

Rê, é bem por aí mesmo!
São tão poucas gatinhas no baile, que eles tem que combinar em qual quem vai....
Fora o amigo perguntar pro outro se tão namorando e o Arrudão falar: não... a gente só fica...
Ahahahahahaha