9 de jul de 2007

Tudo vai começar, com um artigo que li na Folha
de São Paulo, na revista de Domingo da semana retrasada
sobre a coisa de grafites na cidade que agora, chamam-se
intervenções. Muito se criticava que tinha que ter espaço
certo pra fazer grafite, alguns diziam que não eram obrigados
a "dar de cara com um desenho todo colorido numa caixa de
eletricidade que comanda os faróis". Realmente, é melhor
ver tudo cinza.

O que pouco a gente sabe e se dá conta é que aquilo que vemos
todos os dias influencia e muito na nossa estética.
Graças aos primeiros grafites na década de 70, coloridos e
com frases de efeito, é que se podem hoje ver as intervenções.

Claro que essas fases de efeito também deram origem às
pichações, mas esssas, desde o tempo dos romanos existem.
Sou contra pichação, declaradamente, mas é impossível vc
não gotar dos grafites que Sampa ostenta ultimamente.
Osgemeos, dois irmãos aplaudidos no mundo todo, são
"culpados" de muitas obra aqui da cidade e um dia
eu coloco aqui fotinhas deles.

Daí, essa semana a minha mana, foi na cidade que eu vivi e
que nosso irmão nasceu. Sei que muitos devem achar
muito arrogante e prepotente quando eu digo que amo
arte, que adoro arte e que sempre farei tudo pela arte.

Aqui no Brasil, arte é uma coisa elitizada, então é difícil
pra algumas pessoas entenderem que não é prepotente
da minha parte, nem arrogante.

Acredito que aquilo que vivi por Portugal, no bom
e no mau, me influenciaram e muito na minha personalidade.

A natureza, o teatro, o cuidado com o bem que é público,
a força da população, está tudo aqui bem arraigado ao
meu coração. O resto, quero e estou esquecendo e quem sabe
em breve eu possa dar um fim, indo lá e trocando as coisas
más pelas boas.

Tenham em mente, que eu vivi a infância nos anos 80 e
shopping não era tão comum. Pois bem, o que restavam eram
os parques que não eram nada pequenos.
O que nós chamamos aqui de Praça, lá era do tamanho
do Ibirapuera.

Essa era a paisagem que eu via todos os fds:




Há um parque chamado "Portas do Sol", que em breve vou
explicar pra vcs o pq do nome. Aqui, um mirante
que é possível ver o Rio Tejo. (lê se Téjo e não têjo, como
aqui falam).

Aqui, um detalhe de uma das igrejas que eu passava
nos fds pra ir ao Portas do Sol. Aqui estão enterrados
Pedro Cabral e esposa que era natural da cidade:




Dentro da mesma igreja:



Lembro de uma vez ir com a escola perto dessa igreja
pra assistirmos uma peça teatral e ainda, no final, pintarmos
uma colher de pau.


Aqui, uma praça, chamada Praça da República e seu
coreto muito charmoso que há algum tempo, fotografei
e pus aqui um muito parecido de Socorro, SP:










Aí eu passeava tb, tomava um gelado (sorvete) e
tirei algumas fotos aí quando criança. Que eu quando
as achar eu ponho aqui pra vcs verem.

Por isso, eu noto beleza nas coisas que Sampa tem
de positivo: pq fui influenciada pela beleza durante
quase toda a minha infância.
Veja que nada é pixado, tudo é mantido e lá
há jovens que praticam o le Pakour, o skate
e os patins.

Lá existe pichação, claro... grafite tb.

É essa Sampa que eu quero resgatar.
Pq tenho orgulho ainda de ser brasileira
e morar em Sampa.

Nenhum comentário: